segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Mapa dos bairros de Ananindeua (Serviço)

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Mapa dos bairros de Ananindeua (2017)

Olá caros leitores, abaixo estou compartilhando um mapa dos bairros de Ananindeua que pode ser utilizado em publicações científicas, tais como artigos, monografias dissertações ou teses, porém está em forma de amostra de trabalho, ou seja, você pode encomendar o mapa diretamente de mim e eu retirarei as palavras "amostras" do centro do mapa. 


É possível acrescentar ou retirar informações do mapa, basta que você me diga o que é necessário para o seu trabalho. O valor do mapa abaixo é de R$40,00, pois eu dispendi 1 hora de trabalho para a conclusão dele. Caso queira acrescentar mais informações, podemos negociar e entrar em um acordo. O produto está em tamanho A4 e é ideal para pôr no "Word" ou no "PowerPoint".

Lembrando que é possível redimensionar o tamanho do mapa nos formatos A3, A2, A1 ou A0, conforme o objetivo proposto, assim como acrescentar mais informações como: ruas, empresas, avenidas, pontos turísticos, entre outros. Este mapa é apenas uma proposta inicial e para todos tomarem conhecimento sobre a possibilidade de personalizar o mesmo produto abaixo, porém o valor é diferenciado.


Mapa 1. Bairros de Ananindeua, Pará (2017)
Fonte dos dados: Prefeitura de Ananindeua (2017)
Fonte do mapa: Luiz Henrique Almeida Gusmão (Geógrafo)
Amostra de trabalho. Verificar o valor.


Mapa 2. Regionalização dos bairros de Ananindeua, Pará (2017)
Fonte dos dados: Adaptado da Prefeitura de Ananindeua (2017)
Fonte do mapa: Luiz Henrique Almeida Gusmão (Geógrafo)
Amostra de trabalho. Verificar o valor.


sábado, 9 de dezembro de 2017

Imagens de satélite das capitais da Região Norte do Brasil


Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp




O Google Earth é um software poderoso desenvolvido e distribuído pela empresa Google, construído a partir de um mosaico de imagens de satélites de diferentes fontes. Dentre a vastidão de imagens do mundo inteiro, nós selecionamos imagens das capitais da Região Norte do Brasil para você visualizar minimamente cada uma delas.


1. Belém/PA

Belém é a capital do Estado do Pará, onde vivem 1.446.042 pessoas (IBGE, 2016), sendo a 2° maior cidade da Região Norte, atrás somente de Manaus. Na imagem de satélite abaixo, podemos perceber que Belém é uma cidade bastante urbanizada (Notadamente pelos níveis de cinza), apesar de haver grandes extensões de floresta preservada e uma abundância de ilhas, onde vivem a população rural da mesma. A cidade é litorânea, banhada por diversos rios, furos e baías, em que merecem destaque, a baía de Guajará a oeste e o rio Guamá ao sul.
  
Fonte: Google Earth (2017)



2. Manaus/AM


Manaus é a capital do Estado do Amazonas e a maior cidade da região amazônica, sendo lar de 2.094.391 pessoas (IBGE, 2016). Na imagem de satélite, é possível perceber que o município é muito extenso, porém a sua área urbanizada limita-se na porção sul, já no encontro entre os rios Negro e Solimões.


Fonte: Google Earth (2017)


3. Porto Velho/RO

Porto Velho é a capital do Estado de Rondônia, onde vivem 511.219 pessoas (IBGE, 2016), configurando-o como a 3° capital mais populosa da região norte. É a maior capital em extensão territorial com cerca de 34 mil km², que faz fronteira com a Bolívia a oeste. Na imagem de satélite, podemos ver que rio Madeira atravessando a cidade de oeste a leste, assim como a forte presença de floresta preservada ao norte do rio, porém com elevado desflorestamento, principalmente nos arredores do centro urbano.



Fonte: Google Earth (2017)


Fonte: Google Earth (2017)


4. Boa Vista/RR

A cidade de Boa Vista é a capital do Estado de Roraima, onde vivem 332.040 pessoas (IBGE, 2017). Na imagem de satélite, podemos perceber que o centro da cidade possui um traçado urbano organizado de forma radial planejado na década de 40.


Fonte: Google Earth (2017)


Fonte: Google Earth (2017)

5. Palmas/TO

A cidade de Palmas é a capital do Estado do Tocantins e uma das mais novas do Brasil com apenas 27 anos de fundação. Hoje, estima-se que a mesma possui 286.780 habitantes (IBGE, 2017). A cidade está localizada em uma área de transição entre o bioma Amazônia e o Cerrado.


Fonte: Google Earth (2017)

Fonte: Google Earth (2017)

6. Rio Branco/AC

A cidade de Rio Branco é a capital do Estado do Acre. Com uma população estimada em 383.443 habitantes (IBGE, 2017), esta é a sexta mais populosa da região Norte. A cidade está localizada as margens do rio Acre que corta de oeste a leste.


Fonte: Google Earth (2017)


Fonte: Google Earth (2017)


7. Macapá/AP

Macapá á capital do Estado do Amapá. A cidade tem aproximadamente 474.706 habitantes (IBGE, 2017) e é a única a não ter ligação por rodovia com as demais capitais. A extensão territorial da cidade é imensa, chegando a 6.503 Km², porém a sua área urbanizada é pequena diante de todo o seu território e encontra-se mais ao sul.



Fonte: Google Earth (2017)

Fonte: Google Earth (2017)


REFERÊNCIAS

Google Earth (2017). Disponível para download https://www.google.com/earth/download/gep/agree.html

IBGE (2017). Estimativas da População Disponível em https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?edicao=16985

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Desigualdade Social nos Estados Brasileiros



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com

*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Desigualdade Social nos Estados Brasileiros

A pobreza é o resultado da combinação de vários fatores socioeconômicos e políticos, revela-se uma das mais perversas e históricas faces da desigualdade social (JOVCHELOVITH, N; WERTHEIN, J, 2003). É necessário não somente identificar as suas causas, mas também encontrar alternativas com possibilidade de melhorar a equidade social do país. O objetivo principal é a redução das discrepâncias sociais que existem em vários aspectos, tais como o acesso a educação de qualidade, a saúde, ao lazer, entre outros pontos importantes na vida de qualquer ser humano. 

Há diferentes formas de medir a desigualdade social dos países, estados e municípios. Dentre esses, o Índice de Gini destaca-se como um recorrente medidor para analisar o contraste social entre os mais ricos e os mais pobres de um lugar. Para mais detalhes sobre o cálculo, acesse Índice de Gini. Em suma, quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade social, enquanto mais próximo de 0, menor é a desigualdade social.


Figura 1. Índice de Gini

Nesta postagem, tabulamos os dados do Programa das Nações Unidas (PNUD) sobre o Índice de Gini para as 27 unidades federativas do Brasil para o ano de 2010, com o intuito de revelar e analisar o contraste social nos estados através de mapas temáticos. Usamos o software Excel para tabular os dados e produzir os gráficos, e o software QGIS e ArcGis na elaboração dos mapas temáticos.

Conforme o PNUD (2010), o Índice de Gini do Brasil era de 0,60 naquele ano, o que já classificava como um dos países mais desiguais do mundo, porém tal índice é diferente entre as 27 unidades da federação do Brasil conforme o mapa abaixo:


Mapa 01. Índice de Gini nos estados brasileiros (2010)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
Fonte dos dados: PNUD/IBGE (2010)


Segundo o mapa, os estados mais desiguais estão situados principalmente nas regiões Norte e Nordeste, além do Distrito Federal, ao passo que os estados da região Sul são os menos desiguais. O Amazonas é o mais desigual do Brasil e com o maior índice (0,65), seguido por Acre, Roraima, Alagoas e o Distrito Federal, todos com 0,63. Em seguida, quase a totalidade dos estados da região Nordeste, com exceção do Rio Grande Norte, possui um índice entre 0,61 e 0,62, conjuntamente com o Estado do Pará na região Norte.

Entre os estados menos desiguais destacam-se Santa Catarina (0,49), Paraná (0,53) e o Rio Grande do Sul (0,54). O mapa retrata a existência de dois ou três "brasis", onde a desigualdade social entre os mais ricos e os mais pobres varia completamente conforme a região e o estado, porém todos os estados brasileiros possuem índices ainda considerados altos se comparado com outras nações europeias, por exemplo. 

Ainda conforme o mapa, se avaliarmos cada região em particular, na região Norte, o Estado do Amazonas é o mais desigual e Rondônia é o menos. Na Região Nordeste, Alagoas se destaca como o mais desigual e o Rio Grande do Norte como o menos. Na região Centro-oeste, o contraste social é muito mais forte no Distrito Federal do que em Goiás ou no Mato Grosso. Na região Sudeste, o Rio de Janeiro é o mais desigual em relação aos demais estados. Por último, na região Sul, o Rio Grande do Sul é mais desigual e Santa Catarina o menos.

Esse contraste entre os estados brasileiros está diretamente relacionada a diferença na administração dos recursos econômicos, com o intuito de melhorar a qualidade de vida da população no que se refere a adoção de políticas públicas. Quando o índice de desigualdade é ruim, significa que a gestão dos recursos públicos está sendo mal gerida pelos responsáveis, a medida que o índice menor pode mostrar que naquele local, os recursos estão sendo aplicados de forma menos concentrada, abrangendo um maior número de pessoas. 

A forte distorção salarial entre as pessoas repercute diretamente no acesso diferenciado dos setores que regem a sociedade, tais como a educação, saúde, entretenimento, entre outros, sendo portanto, ruim para a sociedade, pois as diferenças contribuem para a exclusão e segregação social. O inadequado investimento na área da educação, em todas as modalidades, também reflete na incapacidade de muitos brasileiros não conseguirem empregos com melhores salários ou mesmo, na impossibilidade de empregos formais, contribuindo para que muitos recorram aos trabalhos informais com menor retorno financeiro.


2. Conclusões

A desigualdade social é um grande gargalo no Brasil, pois apesar do país ter um dos maiores PIBs do mundo e ter grandes riquezas naturais, ainda é um dos países mais desiguais do planeta, onde os estados das regiões Norte e Nordeste, assim como o Distrito Federal possuem as maiores diferenças entre ricos e pobres. Por outro lado, os estados das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul também possuem forte desigualdade social, apesar de um pouco menor do que os outros estados, especialmente nas grandes e médias cidades. 


3. Referências

JOVCHELOVITH, N; WERTHEIN, J. Pobreza e desigualdade social no Brasil: traçando caminhos para a inclusão social – Brasília : UNESCO, 2003. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001339/133974por.pdf

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Entendendo o Índice de Gini. Disponível em http://www.ipece.ce.gov.br/publicacoes/Entendendo_Indice_GINI.pdf

HOFFMANN, R. Distribuição de renda: medida de desigualdade e pobreza. Editora da Universidade de São Paulo. 1998.

PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Disponível em http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/consulta/



segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Criminalidade nos bairros de São Paulo (Infográfico)


Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp




1. Criminalidade dos bairros de São Paulo (Infográfico - Mapas Dinâmicos)


O Jornal "Estadão" do Estado de São Paulo possui uma página onde é possível verificar, analisar e comparar dados de violência dos bairros da cidade de São Paulo, tais como: roubos, furtos, homicídios, lesões corporais, estupros, latrocínios e tráfico de drogas. Todos os dados são oriundos da Secretaria de Estado de Segurança Pública de São Paulo e estão disponíveis desde o ano 2012 até 2017, ou conforme o passar dos meses. 

Figura 1. Interface da página do Jornal Estadão sobre os crimes na capital paulista.
Fonte: Jornal Estadão (2017)


Na plataforma interativa, é possível escolher o tipo de crime e observar a quantidade para toda a cidade, por bairro e no período analisado, assim como um ranking dos mais ou menos violentos de acordo com o crime. Ao lado, aparece um mapa no método coroplético que expressa o total de crimes por bairro. Lembrando que os mapas não devem ser comparados uns com os outros, pois os valores são bastante diferentes e mudam conforme o intervalo específico do crime.

Nós parabenizamos a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo por mostrar transparência dos dados policiais, haja vista ocorrer na maioria das cidades brasileiras uma obscuridade de informações sobre violência nas sites das prefeituras ou mesmo nos relatórios estatísticos. Nesse caso, destacamos que o Jornal Estadão é o responsável pela divulgação das informações, enquanto nós da página, apenas compartilhamos esta plataforma interativa. 












Shapefiles e Kmls dos bairros do Rio de Janeiro

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Shapefiles e Kmls dos bairros e das áreas administrativos do Rio de Janeiro

O shapefile (.shp) é um formato vetorial amplamente utilizado no setor de Geotecnologias no mundo inteiro, sendo suportado por inúmeros programas de Geoprocessamento como o ArcGis, QuantumGis, Arcinfo, GVSig, entre outros. 

Kml (Keyhole Markup Language) é um formato com conteúdo geográfico que pode ser visualizado no software Google Earth Profissional, portanto, analisado em imagens de satélites.

Nesse caso, você pode encomendar o shapefile ou o kml dos bairros ou das áreas administrativas do município do Rio de Janeiro. Nos arquivos constam as seguintes informações:


  • 161 bairros da cidade
  • 33 áreas administrativas

Figura 1. Shapefile dos 161 bairros da cidade do Rio de Janeiro
Valor - R$30,00
Fonte: Processamento a partir dos dados da Prefeitura do Rio de Janeiro


Figura 2. Shapefile das 33 áreas administrativas da cidade do Rio de Janeiro
Valor - R$30,00

Fonte: Processamento a partir dos dados da Prefeitura do Rio de Janeiro



Figura 3. Kml das 33 áreas administrativas da cidade do Rio de Janeiro

Valor - R$30,00

Fonte: Processamento a partir dos dados da Prefeitura do Rio de Janeiro


Figura 4. Kml dos 161 bairros da cidade do Rio de Janeiro
Valor - R$30,00

Fonte: Processamento a partir dos dados da Prefeitura do Rio de Janeiro

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Mapa dos bairros de Belém (Serviço)

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp




1. Mapa dos bairros de Belém (2017)

Olá caros leitores, abaixo estou compartilhando um mapa dos bairros de Belém que pode ser utilizado em publicações científicas, tais como artigos, monografias dissertações ou teses, porém está em forma de amostra de trabalho, ou seja, você pode encomendar o mapa de mim e eu retirarei as palavras "amostras" do centro do mapa. 

É possível acrescentar ou retirar informações do mapa, basta que você me diga o que é necessário para o seu trabalho. O valor do mapa abaixo é de R$40,00 uma vez que eu gastei 1 hora de trabalho para a conclusão dele. Caso queira acrescentar mais informações, podemos negociar e entrar em um acordo. O produto está em tamanho A4 e é ideal para pôr no "Word" ou no "PowerPoint".


Mapa 1. Divisão dos bairros de Belém (2017)
Fonte dos dados: Prefeitura de Belém (2017)
Fonte do mapa: Luiz Henrique Almeida Gusmão (Geógrafo)
Amostra de trabalho. Verificar o valor.



Shapefiles e Kmls das Prefeituras Regionais de São Paulo

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Shapefiles e Kmls das Prefeituas Regionais de São Paulo

O shapefile (.shp) é um formato vetorial amplamente utilizado no setor de Geotecnologias no mundo inteiro, sendo suportado por inúmeros programas de Geoprocessamento como o ArcGis, QuantumGis, Arcinfo, GVSig, entre outros. 

Kml (Keyhole Markup Language) é um formato com conteúdo geográfico que pode ser visualizado no software Google Earth Profissional, portanto, analisado em imagens de satélites.

Nesse caso, você pode encomendar o shapefile ou o kml dos subdistritos administrativos e/ou das prefeituras regionais do município de São Paulo. Nos arquivos constam as seguintes informações:


  • 96 Distritos Administrativos
  • 32 Prefeituras Regionais


Figura 1. Shapefile dos 96 Distritos Administrativos de São Paulo com nome das Prefeituras Regionais incluso
Valor - R$30,00
Fonte dos dados: Processamento a partir dos dados da Prefeitura de São Paulo


Figura 2. Kml dos 96 Distritos Administrativos de São Paulo com nome das Prefeituras Regionais incluso
Valor - R$30,00
Fonte dos dados: Processamento a partir dos dados da Prefeitura de São Paulo


Figura 3. Shapefile das 32 Prefeituras Regionais de São Paulo 
Valor - R$35,00
Fonte dos dados: Processamento a partir dos dados da Prefeitura de São Paulo


Figura 4. Kml das 32 Prefeituras Regionais de São Paulo 
Valor - R$35,00
Fonte dos dados: Processamento a partir dos dados da Prefeitura de São Paulo


Caso necessite de um base digital específica de São Paulo, basta entrar em contato para verificarmos as possibilidades e o tempo para a conclusão do trabalho. Confeccionamos mapas de bairros, distritos e prefeituras com ruas, conforme a demanda.








quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Como fazer Cartogramas? (Vídeo)



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Como fazer Cartogramas?


Olá leitores, hoje eu estou compartilhando com vocês não somente um vídeo do Prof. Vitor Vieira Vasconcelos (UFABC/SP) em que ele ensina como fazer Cartogramas, mas também as teorias por trás desse modelo cartográfico. O tema deste vídeo é sobre "Como fazer Cartogramas no QGIS", em que o professor destaca os principais conceitos, como trabalhar com dados para este tipo de representação, quais as formas mais comuns e a forma prática no QGIS.

Temos certeza que esta videoaula é a melhor disponível na internet, pois o professor ensina com bastante clareza e aborda inúmeros exemplos para os alunos. É uma boa oportunidade para você conhecer mais sobre essa representação cartográfica e aprimorar os seus conhecimentos em Cartografia. A nossa proposta é de divulgar o excelente trabalho do professor na área de Geotecnologia e neste caso, da Cartografia. Segue o vídeo abaixo:


Vídeo 1. Aula expositiva sobre Cartogramas (Cartografia Temática)
Os direitos autorais são do Prof. Vitor Vasconcelos.
Fonte: Canal do Prof. Vitor Vasconcelos (Youtube)