domingo, 8 de outubro de 2017

Ranking e Cartografia do IDH para as capitais brasileiras


Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Presta consultoria em Cartografia e Geoprocessamento para Acadêmicos, Pesquisadores e Empresas
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Ranking das capitais brasileiras no Índice de Desenvolvimento Humano - 2010


O índice de desenvolvimento humano é uma forma resumida do progresso a longo prazo em três dimensões básicas do desenvolvimento humano: renda, educação e saúde (PNUD, 2017). Esse índice é um meio de mensurar e comparar as condições as condiçoes de vida de um país, estado, regiões metropolitanas e municípios. O IDH reúne três dos requisitos indispensáveis para a expansão da liberdade das pessoas: a oportunidade de se levar uma vida longa (Saúde); o acesso ao conhecimento (Educação) e a capacidade de desfrutar de um padrão de vida digno (Renda).

Com base nos dados fornecidos pelo Programa das Nações Unidas (PNUD) http://atlasbrasil.org.br/2013/ para os municípios brasileiros, foram realizadas análises sobre o IDH de todas as capitais brasileiras para o ano de 2010.

No ranking dos 5.565 municípios brasileiros, as capitais estaduais mais bem posicionadas estão localizadas principalmente nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, enquanto aquelas das regiões Norte e Nordeste tiveram um desempenho inferior, com exceção de Palmas/TO (Mapa 01)


Mapa 01. Ranking das capitais brasileiras pelo índice de desenvolvimento humano (IDH) - 2010
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão / Fonte: PNUD (2010)
*É expressamente proibido o uso comercial, publicação em qualquer revista e compartilhamento em matérias sem a devida autorização do autor.

Segundo o mapa, a capital brasileira mais bem posicionada é Florianópolis/SC na 3° colocação, seguida por Vitória/ES (4°), Brasília/DF (9°), Curitiba/PR (10°), Belo Horizonte/MG (20°), São Paulo/SP (28°), Porto Alegre/RS (28°), Goiânia/GO e Rio de Janeiro/RJ (45°), ou seja, entre as capitais estaduais, essas tiveram o melhor desempenho nas áreas de educação, saúde e renda, considerados pelo PNUD. 

Ainda de acordo com o mapa, entre aquelas que obtiveram um desempenho mais baixo, destacam-se: Macéio/AL (1.266°), Rio Branco/AC (1.107°), Macapá/AP (940°), Porto Velho/RO (876°) e Manaus/AM (850°), localizadas principalmente na Região Norte, com exceção de Macéio que se localiza na Região Nordeste.

Se avaliarmos o IDH das capitais na costa brasileira, percebemos que os índices de desenvolvimento humano são menores de Macapá/AP até Salvador/BA, e tornam-se maiores a partir de Vitória/ES até Porto Alegre/RS, quase no limite com o Uruguai. 

Em uma avaliação regional, a capital com o melhor IDH na região Sul é Florianópolis/SC (3°); na região Sudeste é Vitória/ES (4°); no Centro-Oeste é Brasília/DF (9°); no Nordeste é Recife/PE (210°) e no Norte é Palmas/TO (76°). Quando observamos aquelas com o menor desempenho, Porto Alegre/RS aparece em 28° na região Sul, o Rio de Janeiro/RJ em 45° na região Sudeste, Campo Grande/MS em 100°, Maceió em 1.266° na região Nordeste e Rio Branco/AC em 1.107° na região Norte.


Na classificação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a maioria das capitais estaduais está classificada em "Alto Desenvolvimento Humano", com exceção de 7 capitais (Figura 1), onde os índices ultrapassaram 0,800 e portanto, enquadram-se em "Muito Alto Desenvolvimento Humano".

Figura 1. Ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das capitais brasileiras em 2010
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
Fonte: PNUD (2010)

Se avaliarmos com base na média do IDH das capitais brasileiras que é de 0,777, percebemos que além das capitais do Sudeste, Sul e Centro-Oeste do país, somente Palmas, Recife e Aracaju estão acima desse índice (Figura 2). 


Figura 3. Índice de Desenvolvimento Humano nas capitais estaduais brasileiras (2010)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão
Fonte: PNUD (2010)



2. CONCLUSÕES

As capitais localizadas na região Sudeste, Sul e Centro-Oeste possuem os melhores índices de desenvolvimento humano do país, em contraposição a maioria das capitais da região Norte e Nordeste, o que reforça a forte desigualdade social existente entre as mesmas. Diante disso, é necessário que os governos agilizem medidas para melhorar a qualidade de vida da população, ao ofertar e melhorar o acesso a saúde, educação e trabalho, o que consequentemente deve repercutir em uma vida mais digna e menos limitada da população.



3. REFERÊNCIAS.


PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano, 2010. Disponível em http://atlasbrasil.org.br/2013/. Acesso em 01/10/2017.








segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Lançamento do Atlas sobre Trabalho Escravo no Brasil



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp




1. Atlas do Trabalho Escravo no Brasil (Material produzido pela equipe do Prof. Dr. Herve Thery e da Organização Amigos da Terra-Amazônia Brasileira)

O material denominado "Atlas do Trabalho Escravo no Brasil" foi concebido pela organização Amigos da Terra- Amazônia Brasileira e lançado em 2012. Este é um estudo completo sobre a atual distribuição geográfica dos trabalhadores em condições análogas a escravidão, assim como a vulnerabilidade ao aliciamento e a probabilidade de ocorrer trabalho escravo no país. Trata-se de uma série de 56 cartogramas, 7 tabelas e 2 gráficos a respeito do tema. Entre os autores deste estudo, destacam-se o Prof. Dr. Herve Thery, a Prof. Dra. Neli Aparecida de Melo, o Prof. Dr. Eduardo Paulo Girardi e o Msc. Júlio Takahiro Hato, todos da UNESP.

Os pesquisadores ainda estudam a correlação de atividades econômicas com o trabalho escravo, como a produção de carvão, a pecuária, mineração, agricultura, etc. Os principais locais com registros de Trabalho Escravo são: Pará, Maranhão, Mato Grosso e Tocantins. Para saber mais, acesse o trabalho completo http://amazonia.org.br/wp-content/uploads/2012/05/Atlas-do-Trabalho-Escravo.pdf


Figura 1. Índice de vulnerabilidade à escravidão
Fonte: IBGE/MTE/SUS/CPT
HT/NAM/JH/EG (2007)


O estudo é riquíssimo com uma série de informações por estado, microrregião e município. É um excelente recurso para o planejamento e adoção de políticas públicas voltadas para coibir atividades econômicas com uso de mão-de-obra escrava, pois este nos dá uma dimensão da realidade no Brasil. Cartograficamente, esse material foi produzido com o uso do software Philcarto (Gratuito) e disponível em http://philcarto.free.fr/. 










quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Mapas de População e de Área do Brasil



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Compartilhamento de Mapas 


Olá leitores, a partir dessa semana irei começar a compartilhar mapas, imagens de satélites, figuras e cartogramas com os mais variados temas, sempre identificando a fonte e ressaltando o cartógrafo ou elaborador do mapa. Nesta primeira sessão, compartilharei mapas da distribuição da população brasileira em diversos aspectos. Novamente, caso você não encontre um mapa que esteja procurando ou necessite que seja confeccionado um, basta entrar em contato (91) 98306-5306.


2. Mapas de População e de Área do Brasil

Os mapas e figuras abaixo sobre a população do Brasil foram confeccionados pelo Prof. Dr. Herve Thery no artigo publicado na Revista Confins. Já o artigo foi escrito por René Somain (http://confins.revues.org/7215). Alguns deles estão sem todos os elementos cartográficos obrigatórios, mas podem ser analisados sem qualquer problema.


Figura 1. Brasil - População dos municípios (2010)


Fonte: IBGE (2010)
Elaborador: Herve Thery (2011); Software: Philcarto




Figura 2. Brasil - Densidade demográfica dos municípios  (2010)


Fonte: IBGE (2010)
Elaborador: Herve Thery (2011); Software: Philcarto


Figura 3. Brasil - Área total dos municípios (2010)


Fonte: IBGE (2010)
Elaborador: Herve Thery (2011); Software: Philcarto



Figura 4. Os 10 maiores e menores municípios brasileiros em área (2010)


Fonte: IBGE (2010)
Elaborador: Herve Thery (2011); Software: Philcarto


Figura 5. Brasil - Taxa de Masculinidade por município (2010)


Fonte: IBGE (2010)
Elaborador: Herve Thery (2011); Software: Philcarto



Figura 6. Brasil - Taxa de Masculinidade na população rural (2010)

Fonte: IBGE (2010)
Elaborador: Herve Thery (2011); Software: Philcarto





2. REFERÊNCIA 

René Somain, « A população do Brasil em 2010 », Confins [Online], 12 | 2011, posto online no dia 01 Agosto 2011, consultado o 14 Setembro 2017. URL : http://confins.revues.org/7215 ; DOI : 10.4000/confins.7215











domingo, 27 de agosto de 2017

Análise Espacial de Eventos Pontuais



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, 
Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp




1. Análise Espacial de Eventos Pontuais


Olá leitores, hoje eu estou compartilhando com vocês um excelente material do Prof. Vitor Vieira Vasconcelos que exerce o seu trabalho na área da Geotecnologia na UFABC (SP). Na verdade, são slides que enfatizam a análise espacial de eventos pontuais, utilizando diversos métodos como: "centros médios e distância padrão", "padrões de agregação", "mapas de kernel", "mapas de proximidade" e também sobre interpolação de dados espaciais. 



Figura 1. Capa dos slides sobre análise de eventos pontuais


Os slides são ideais para aqueles que buscam aprofundamento no assunto. Ainda possui uma videoaula do professor incluso nesse excelente material. O vídeo é bastante longo, 3 horas, mas temos certeza que será o melhor e mais didático material disponível na internet. Veja!


Vídeo 1. Análise Espacial de Eventos Pontuais












domingo, 6 de agosto de 2017

Freelancer em Cartografia - Livros, Revistas, Periódicos e Paradidáticos



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp


1. Freelancer em Cartografia - Livros, Revistas, Periódicos e Paradidáticos.

Esta postagem busca exprimir a minha capacidade técnica, artística e criativa na elaboração de conteúdo cartográfico para livros, revistas, periódicos, paradidáticos, websites e catálogos. São mapas que podem ser confeccionados e incorporados em publicações editoriais de qualquer gênero. Há diversas opções de mapas que podem ser solicitados, depende basicamente da demanda requisitada. Os mapas podem ser de qualquer lugar como: Mundo, Continentes, Países, Regiões, Brasil, Estados Brasileiros, Municípios, Bairros, entre outrosAbaixo estão alguns exemplos de mapas com capacidade de incorporação em conteúdos de revistas e livros, inclusive didáticos e paradidáticos de Geografia ou História.


Mapa 01. Estado de Paz no Oriente Médio, Cáucaso e Ásia Central (2016)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor!


A partir do mapa acima, pode ser discutido temas como terrorismo, guerras, geopolítica, entre outros, pois reflete a instabilidade política e democrática dos países da região do Oriente Médio, do Cáucaso e da Ásia Central. O maior estágio de paz ocorre apenas no Catar e no Kuwait, por não se envolverem em conflitos ou ter uma situação política mais estável, diferentemente de países como Síria, Iraque e Iêmen, onde há grupos terroristas atuantes em seus territórios. Outros países ao redor também convivem com grande instabilidade da paz em seus territórios, como Egito, Israel, Palestina, Líbano, Turquia, Irã e Azerbaijão.

Observa-se que o mapa não apenas localiza as regiões no mundo, mas utiliza dados do Instituto para Economia e de Paz do ano de 2016, ou seja, é um mapa temático com viés extremamente político com capacidade de ser discutido em vários meios de comunicação.

No mapa abaixo, dessa vez sobre o tema saneamento básico na parte meridional do continente africano, pode ser discutido diversos assuntos como as consequências na saúde dos habitantes pela fragilidade na oferta desse item importante na qualidade de vida.


Mapa 02. Acesso ao saneamento básico na África Austral (2015)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor!


A partir do mapa acima, vemos claramente a precariedade do saneamento básico na maioria dos países na África Austral ou Meridional, principalmente em Madagáscar, Tanzânia, República Democrática do Congo, Lesoto, Moçambique, Zimbábue e Namíbia. Por outro lado, apenas Maurício desfruta de um saneamento básico considerado excelente, ao lado de África do Sul e Botswana com um sistema bom, variando entre 60% e 79%. Outros países estão em situação regular como Angola, Zâmbia, Suazilândia e Malauí, o que demonstra melhor condição do que aqueles mais precários, como Tanzânia e Madagáscar. 

Temas como: demografia, geopolítica, turismo, história, geologia, transportes e muitos outros também podem ser solicitados. O prazo para a confecção dos mesmos é a partir de 3 dias e o pagamento se dá após a conclusão do trabalho. Abaixo há outros exemplos de mapas temáticos:



Mapa 03. Localização da Praia do Farol, Chapéu Virado e Paraíso (Belém/PA)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor



Mapa 04. Modelo Digital de Elevação da Bacia Hidrográfica do Cabaçal/MT
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor


Mapa 05. Maiores exportadores de madeira da Amazônia Legal (2015)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor



Mapa 06. Índice de Desenvolvimento Humano - América do Sul (2014)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor



Mapa 07. Variação percentual das taxas de óbitos nos estados brasileiros (2002-2012)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor



Mapa 08. Percentual na produção de fumo nos estados brasileiros (2015)
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamento proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor


2. Conclusões

Há diversas opções de mapas que podem ser elaborados, dependendo da demanda por um local ou tema específico, sendo retratado nesta postagens alguns exemplos com boa qualidade da informação geográfica e produtos esteticamente atrantes. Conheça os nossos produtos com valores especiais e tenha em mãos mapas de qualidade!










quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Cartografia das Chacinas na Grande Belém



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp


1. Chacinas em Belém

As chacinas acontecem quando covardemente e simultaneamente acontecem vários homicídios em um curto período de tempo, podendo ser cometido por pessoas ou organizações. Esses episódios são abomináveis e vem ocorrendo com certa frequência nos centros urbanos ou na zona rural, pois normalmente há excesso de poder e força de um lado contra o outro. Em Belém, capital do Estado do Pará, em um intervalo de 20 anos, ao menos 6 chacinas de moderada e alta proporção aconteceram. Muitos casos ainda não foram sequer investigados, o que gera uma preocupação muito grande por parte da população, principalmente aquela que reside nas periferias da cidade. Nessa postagem, o objetivo é realizar um registro das maiores chacinas que ocorreram na cidade, com o intuito de destacar onde tais tragédias mais aconteceram.


Figura 1. Ato público em São Paulo para lembrar vítimas de chacinas na Candelária
Fonte: Jornal Estadão (2013)


1.1 Chacina no Paar - Ananindeua (1995)

Em maio de 1995, ocorreu a primeira grande chacina na Região Metropolitana de Belém no bairro do Paar no município de Ananindeua, quando 2 policiais, 2 investigadores e 1 delegado foram mortos na Seccional do Paar por 5 bandidos logo após a morte de 1 traficante da área.


Mapa 01. Bairro com caso de chacina em Ananindeua (1995)
Fonte dos dados: Blog do Paar (2017)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Vítimas fatais = 5


1.2 Chacina no bairro da Cabanagem (2010)

Em 2010, 4 pessoas foram mortas em uma mesma casa no bairro da Cabanagem em Belém, caracterizando como uma chacina. Segundo relatos dos moradores, o episódio ocorreu por causa de discussões entre vizinhos. Os executores receberam 112 anos de reclusão no total.


Mapa 02. Bairro com caso de chacina em Belém (2010)
Fonte dos dados: G1 Notícias (outubro de 2010)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Vítimas = 4



1.3 Chacina no Distrito de Icoaraci - Belém (2011) 

Em novembro de 2011, 6 adolescentes foram assassinados em frente ao Instituto de Previdência de Belém (Ipamb) por tiros vindos de dois homens em uma moto. Cinco deles morreram no local, enquanto um faleceu durante o encaminhamento ao hospital. O principal responsável foi um Ex-Policial Militar que foi condenado a 120 anos de reclusão, que também fazia parte de um grupo de extermínio da RMB.


Mapa 03. Bairros com casos de chacina em Belém (2011)
Fonte dos dados: Jornal Diário do Pará (janeiro de 2011)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Vítimas fatais = 6

1.4 Chacina de Belém em 2014

Em Novembro de 2014, 11 pessoas foram vítimas de uma massacre ocorrido em vários bairros de Belém, a maioria era jovem. O episódio ocorreu logo após logo um policial ter sido vítima de uma "emboscada" no bairro do Guamá e perder a sua vida. Segundo as testemunhas e o resgate de fichas criminais, todos não tinham "passagem pela polícia", ou seja, não possuíam nenhum crime registrado. Caso alguns tivessem, ainda assim seria um massacre e algo imperdoável, pois somente as autoridades jurídicas devem penalizar conforme os atos.


Mapa 04. Bairros com casos de chacina em Belém (2014)
Fonte dos dados: Jornal Diário do Pará (janeiro de 2014)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.


Vítimas fatais = 11

1.5 Chacina da Grande Belém (2017)

Em janeiro de 2017, houve uma "onda de violência" na Região Metropolitana de Belém (RMB), logo após o homicídio de um policial da ROTAM (Ronda Tática Metropolitana) no bairro da Cabanagem. Muitos especulam que os homicídios caracterizados como execuções foram retaliações por causa da morte do policial. Os crimes ocorrera em vários bairros da capital, assim como em Ananindeua e Marituba. A maioria das execuções ocorreu em bairros periféricos da RMB (Mapa 4).



Mapa 05. Bairros com casos de chacina em Belém, Ananindeua e Marituba (2017)
Fonte dos dados: Jornal Diário do Pará (janeiro de 2017)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Vítimas fatais = Mais de 20.



1.6 Chacina do Condor (2017)

Em maio de 2017, cerca de 4 pessoas foram assassinadas no bairro do Condor em Belém (Mapa 5). As vítimas assistiam televisão em um bar quando homens encapuzados chegaram em motocicletas e dispararam contra as pessoas. Outras 14 pessoas foram feridas no local e até o presente momento, possuíam um quadro estável.


Mapa 06. Bairro com caso de chacina em Belém (2017)
Fonte dos dados: G1 Notícias (Maio de 2017)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Vítimas fatais = 4

2. Distribuição espacial das vítimas por chacina na Grande Belém


Com base na avaliação das 6 maiores chacinas que ocorreram na Grande Belém com divulgação na mídia digital com grande repercussão, foi elaborado um mapa que destaca a distribuição espacial das vítimas em chacinas por bairro. É evidente que o número de vítimas pode ser maior, porém já é válido realizar um levantamento preliminar. 


Mapa 07. Homicídios em chacinas por bairro na Grande Belém (1995-2017)
Fonte dos dados: Blog do Paar (2017) e Jornal Diário do Pará (2010, 2011, 2014 e 2017), confirmados pela SEGUP/PA (Secretaria de Segurança Pública do Pará) conforme reportagem no mesmo.
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Segundo o mapa, mais de 50 pessoas já foram vítimas de chacinas entre 1995 e 2017, que tiveram grande repercussão local, predominando na cidade de Belém. Os bairros da Agulha, Terra Firme, Condor e Paar, foram aqueles que mais registraram vítimas de chacinas, em que todos fazem parte das periferias da cidades, onde grande parte de sua população é de baixa renda e reside em bairros bastante desfavoráveis no que se refere a infraestrutura urbana.

Os bairros do Guamá, Cabanagem, Benguí, Parque Verde, Jurunas, Castanheira, Guanabara, Una e Curuçambá são aqueles que tiveram entre 2 e 4 vítimas de chacinas. São bairros da periferia, onde a população ganha em média entre 1 e 3 salários mínimos (IBGE, 2010). 

No centro de Belém, apenas o bairro da Campina já registrou 1 vítima por chacina, revelando que a maioria das chacinas ocorrem na periferia da cidade. Em Ananindeua, somente o Cj. Cidade Nova 5 registrou uma ocorrência, diferente do centro de Marituba e das demais cidades da Grande Belém com nenhum caso (Mapa 08).


Mapa 08. Áreas com maiores vítimas de chacina em Belém e Ananindeua (1995-2017)
Fonte dos dados: Compilação e Processamento do Blog do Paar (2017) e do Jornal Diário do Pará (2010, 2011, 2014 e 2017)
Elaborador: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
*É expressamente proibido o uso e compartilhamento sem autorização prévia do autor do mapa.

Conforme o mapa, é visível que há 4 zonas que mais ocorreram vítimas por chacina na cidade de Belém e Ananindeua. Em Belém, a zona 1 corresponde aos bairros do Jurunas, Condor, Guamá e Terra Firme, com registro de mais de 10 vítimas. A zona 2 corresponde aos bairros do Benguí, Parque Verde, Cabanagem e Una, com registro maior que 10 vítimas. A zona 3 corresponde ao bairro da Agulha (Icoaraci) que registrou uma chacina em 2010, quando 6 jovens foram assassinados. Por último, a zona 4 em Ananindeua corresponde aos bairros do Paar, Icuí e Curuçambá, com registro próximo a 10. 


3. CONCLUSÃO

As chacinas são retaliações criminosas realizadas por grupos que impõe força e medo na sociedade, causando grande número de homicídios em curto espaço de tempo, em que os criminosos devem ser julgados e condenados conforme a Justiça. Na região metropolitana de Belém, as chacinas ocorrem principalmente na periferia, com destaque para os bairros do Sul e Centro-Oeste de Belém, assim como o norte do município de Ananindeua.


4. REFERÊNCIAS


Blog do Paar. A Chacina do Paar. Disponível http://bairrodopaar.blogspot.com.br/2014/05/a-chacina-do-paar.html


Diário do Pará. Disponível em http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2012/10/justica-condena-acusados-de-participacao-em-chacina-em-belem.html, 2012.

Diário do Pará. Disponível em http://www.diarioonline.com.br/noticias/para/noticia-391387-em-2-dias-24-pessoas-sao-mortas-na-grande-belem.html, 2017.

Diário do Pará. Disponível em http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2014/10/ex-pm-e-condenado-120-anos-de-prisao-por-chacina-de-icoaraci.html, 2014.

Diário do Pará. Chacina em Belém é marcada por impunidade. Disponível em http://m.diarioonline.com.br/noticias/policia/noticia-364384-%E2%80%9Cchacina-de-belem%E2%80%9D-e-marcada-pela-impunidade.html, 2016.

Estadão, Jornal. Disponível em http://politica.estadao.com.br/blogs/roldao-arruda/contra-chacinas-anistia-internacional-pede-mudanca-na-pm/, 2013.

G1. Governo confirma cinco mortos em chacina em Belém no bairro do Condor, Belém. Disponível http://g1.globo.com/pa/para/noticia/segup-confirma-cinco-mortos-em-chacina-no-bairro-da-condor-em-belem.ghtml, 2017.