terça-feira, 22 de outubro de 2013

Atlas do desenvolvimento humano no Brasil 2013 - ONU

Estou recomendando o site: http://www.pnud.org.br/IDH/Atlas2013.aspx?indiceAccordion=1&li=li_Atlas2013, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento que é uma plataforma de consulta de inúmeros indicadores socioeconômicos dos 5.565 municípios do Brasil para o ano de 1991, 2000 e 2010, disponibilizados pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Lá você encontra o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 a nível municipal – IDHM – de todos os municípios brasileiros, e a mais de 180 indicadores de população, educação, habitação, saúde, trabalho, renda e vulnerabilidade, com dados extraídos dos Censos Demográficos de 1991, 2000 e 2010.

Concebido como uma ferramenta simples e amigável de disponibilização de informações, o Atlas Brasil 2013 facilita o manuseio de dados e estimula análises. A ferramenta oferece um panorama do desenvolvimento humano dos municípios e a desigualdade entre eles em vários aspectos do bem-estar.

Sua relevância vem justamente da capacidade de fornecer informações sobre a unidade político-administrativa mais próxima do cotidiano dos cidadãos: o município. Os municípios brasileiros são peças importantes de um complexo mosaico, com inúmeros desafios, mas também enormes oportunidades. São mais de 5 mil territórios férteis em criatividade e experiências na busca por soluções inovadoras para o desenvolvimento local. Ao proporcionar um olhar mais próximo sobre os municípios brasileiros, o Atlas Brasil 2013 orienta caminhos e provoca a reflexão sobre os rumos do desenvolvimento humano no país.


É possível acessar pela plataforma:

a) 180 indicadores socioeconômicos
b) Índice de desenvolvimento humano municipal (IDHM) dos 5565 municípios brasileiros.
c) Dados de 1991, 2000 e 2010.
d) Informações sobre: demografia, saúde, trabalho, renda, educação, habitação e vulnerabilidade social.
e) Perfil municipal: Retrato resumido de cada município brasileiro.
f) Produzir cartogramas temáticos municipais, estaduais e de áreas temáticas como Semi-árido e Amazônia Legal.


Aos interessados em Cartografia Temática, é uma ótima plataforma que serve para extrair informações socioeconômicas de diversos municípios do país.


Figura 1. Brasil - IDHM em 1991


Figura 2. Brasil - IDHM em 2000




Figura 3. Brasil - IDHM 2010





Vou disponibilizar o link que dá acesso as informações dos municípios do Estado do Pará. 
Só é escolher a variável:



domingo, 6 de outubro de 2013

Bairros mais populosos de Belém em 1960 e 2010 com Philcarto



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. INTRODUÇÃO

Essa postagem tem o objetivo de revelar quais eram os bairros mais populosos de Belém em 1960 e em 2010, com base nos dados disponíveis no livro: um estudo de Geografia Urbana em Belém do Geógrafo Antônio Rocha Penteado e pelo Anuário Estatístico de Belém, respectivamente, para ser analisado a dinâmica populacional dos mesmos. A dificuldade no acesso de dados mais remotos e de mais atuais sobre a população dos bairros da cidade se tornou um empecilho na análise entre a década de 70 a 90, mas é possível perceber uma mudança significativa nesse recorte temporal, através de gráficos, tabelas e mapas temáticos.

Palavras-chave: Belém. Bairros. 


2. METODOLOGIA

Para alcançamos os objetivos propostos, foi realizado uma revisão bibliográfica na obra: Geografia Urbana de Belém  de PENTEADO (1968), o Anuário Estatístico de Belém da Prefeitura Municipal de Belém (2010); o software Excel 2007 na construção de gráficos e de tabelas dos bairros e o software Philcarto, na produção de dois mapas temáticos, com o método Corocromático, para a identificação dos bairros mais populosos na década de 60 e no ano de 2010.


3. DESENVOLVIMENTO
3.1 População de Belém em 1960

Na década de 60, o município de Belém tinha uma população de 359.988 habitantes, estando distribuída por 20 bairros (PENTEADO, 1968), mas quais eram os bairros que mais aglomeravam os belenenses naquela época em termos absolutos e relativos?

Quadro 1. Belém - Bairros mais populosos na década de 60.

Colocação/Bairro
População
% populacional de Belém
1º Marco
40.550
11,2
2º Umarizal
33.289
9,2
3º Telégrafo sem fio
30.148
8,3
4º Jurunas
29.969
8,3
5º Pedreiras
25.619
7,1
6º Guamá
23.400
6,5
7º Sacramenta
20.773
5,7
8º Canudos
15.686
4,3
9º São Brás
15.049
4,1
10º Souza
14.567
4,0
TOTAL
249.045
68,7

Fonte: PENTEADO (1968)
Organização: Luiz Henrique Almeida Gusmão

No quadro acima, percebemos os dez bairros mais populosos da capital paraense na década de 60, destacando principalmente o Marco, o Umarizal, o Telégrafo sem fio, o Jurunas e a Pedreiras. Com base nessas informações, foi gerado um mapa temático com o software Philcarto para podermos visualizar a distribuição desses bairros mais populosos da época.

Mapa 01. Bairros mais populosos de Belém em 1960



 Fonte: Autoria própria

Conforme o mapa, podemos perceber que os bairros mais populosos daquela época estavam principalmente na zona norte da cidade, onde a maioria de sua população era de baixa renda com alta taxa de fecundidade. Nessa área começava a se intensificar o processo de migração, essencialmente de pessoas advindas do interior do Pará e de alguns estados nordestinos. No sul de Belém, o bairro do Jurunas e Condor já se destacavam como uma área populosa da cidade em que a maioria de sua população era também de baixa renda. Os bairros centrais daquela época, como Campina, Nazaré, Batista Campos e Cidade Velha eram moradias das classes mais abastadas, possuindo grande parte do seu terreno destinado as atividades comerciais, institucionais e de lazer, tais como praças públicas.

Os dez bairros em 1960 eram responsáveis por 68,7% de toda a população da cidade, no qual a maioria estava situado dentro da *Primeira Légua Patrimonial, com exceção do Souza, ou seja, a população de Belém estava concentrada na principal porção de terra doada pelo então Governador do Maranhão e Grão-Pará em 1703. Diante disso, a população da cidade desde aquele tempo vai crescendo no sentido da Av. Augusto Montenegro, Av. Arthur Bernardes e a Rodovia BR-316.


Mapa 02. Belém (PA) - Primeira Légua Patrimonial

Fonte: ABELÉM, A. G. (1989)

*Primeira Légua Patrimonial: Trata-se de uma porção de terra de 4.110 hectares que em 01/10/1627, foi doada, e demarcada oficialmente em 1703, obedecendo o traço de uma légua em arco quadrante das margens do Rio Pará em direção ao sul e do Guamá em direção ao norte. Essa doação foi efetuada por meio da carta de sesmaria, pelo então Governador do Maranhão e do Grão-Pará  - Francisco de Carvalho `Câmara Municipal de Belém (MEIRA FILHO, 1976)



3.2 População de Belém de 1960 para 2010


Após 50 anos...será que mudou esse quadro? 

Com certeza! Belém teve um crescimento acelerado e desornado, em decorrência das altas taxas de natalidade e do intenso fluxo migratório do interior do Pará e também do Estado do Maranhão, resultando na expansão da malha urbana em direção a Rodovia Augusto Montenegro (Antiga estrada que dava acesso ao distrito de Icoaraci), da Av. Almirante Barroso (Antiga Av. Tito Franco) e da Rodovia BR-316 (Antiga Estrada de Ferro Belém-Bragança). 
A população de Belém passou de 359.988 habitantes na década de 60 para cerca de 1.393.399 habitantes em 2010 (IBGE, 2010), ou seja, a cidade cresceu 287%, se tornando uma metrópole regional do Brasil. Esse crescimento urbano foi se espraiando em direção ao município de Ananindeua, propiciando na década de 80, a institucionalização da Região Metropolitana de Belém. No ano de 2010, a "Grande Belém" ou a RMB atingiu a soma de 2.141.618 habitantes (IBGE, 2010), constituída por 6 municípios (Belém, Ananindeua, Marituba, Santa Bárbara do Pará, Benevides e Santa Isabel do Pará).

Gráfico 1. População de Belém (1960-2010)


Fonte: PENTEADO (1968) e IBGE (2010)
Organização: Luiz Henrique Almeida Gusmão


Em 2010, a Prefeitura Municipal de Belém constatou que existem 71 bairros na malha urbana da cidade, cerca de 51 a mais do que em 1960! Esses novos bairros foram sendo incorporados a Belém em períodos diferentes, como aqueles ao longo da Rodovia Augusto Montenegro (Mangueirão, Cabanagem, Parque Verde, Bengui, Tapanã e outros) da Rodovia Arthur Bernardes (Miramar, Val-de-Cans, Pratinha, Paracuri e outros), do início da Rodovia BR-316 e de suas transversais (Castanheira, Guanabara, Aurá e Águas Lindas), os da Ilha de Mosqueiro (Vila, Paraíso, Baía do Sol, Praia Grande, Marahu e outros) e da Ilha de Caratateua ou Outeiro (Água Boa, São João do Outeiro, Itaiteua e outros). Mas quais são os bairros mais populosos da cidade na atualidade, no ano de 2010?

Quadro 2. Belém - Bairros mais populosos em 2010

Colocação/Bairro
População
% da população de Belém
1º Guamá
102.124
7,32
2º Pedreira
69.608
5,0
3º Marambaia
66.708
4,74
4º Tapanã
66.669
4,72
5º Marco
65.844
4,72
6º Jurunas
64.478
4,62
7º Terra Firme
63.191
4,53
8º Coqueiro
51.776
3,71
9º Sacramenta
44.413
3,18
10º Telégrafo
42.953
3,08
TOTAL
637.764
45,6

Fonte: ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BELÉM (2010)
Organização: Luiz Henrique Almeida Gusmão

No quadro acima, nos deparamos com os bairros mais populosos da cidade já em 2010, dos quais merece destaque o Guamá, a Pedreira, a Marambaia, o Tapanã e o Marco. Novamente usando o software Philcarto, foi confeccionado um mapa temático sobre a distribuição dos bairros mais populosos da cidade para o ano de 2010.

Mapa 03. Bairros mais populosos de Belém em 2010 


Fonte: Autoria própria

Segundo o mapa, os bairros mais populosos de Belém ainda estão na Primeira Légua Patrimonial, principalmente ao longo da avenida Perimetral, Dr. Freitas, Senador Lemos e Pedro Álvares Cabral. Percebe-se que a maioria desses bairros constituem a chamada periferia imediata, por estar a menos de 10 km do centro da cidade. Por outro lado, a área de expansão de Belém vem se destacando com Tapanã, Coqueiro e Marambaia entre os mais populosos, configurando-se como um setor de crescimento demográfico acelerado.

Realizando uma analogia com os maiores em 1960, percebemos que a Terra Firme e a Marambaia nem aparecem entre os maiores naquele ano; a Pedreira, o Marco, o Telégrafo, o Jurunas, o Guamá e a Sacramenta continuam entre os mais populosos; o Tapanã e o Coqueiro nem existiam em 1960. O mais populoso da cidade, o Guamá, tem mais de 100.000 habitantes, sendo maior até que municípios da Região Metropolitana de Belém.


Um dos motivos que comprovam a redução da concentração populacional na Primeira Légua Patrimonial é a queda percentual populacional dos dez maiores bairros em relação à população total de Belém, de 68,7% para 45,6% (Figura 01). Outros motivos são os constantes lançamentos de condomínios horizontais no vetor da Augusto Montenegro e a explosão de assentamentos precários também, ocasionado pelo déficit habitacional no centro da cidade.


Figura 01. Representatividade dos 10 bairros mais populosos  na população total de Belém
Fonte: Autoria própria



4. CONSIDERAÇÕES FINAIS


Conclui-se que entre 1960 e 2010, a malha urbana de Belém expandiu consideravelmente, repercutindo na existência de 71 bairros, assim como a população que passou de 359.899 para 1.393.399 habitantes. A dinâmica demográfica dos bairros foi bastante significativa, em que muitos são mais populosos do que municípios da Região Metropolitana e do próprio estado. Esse "inchaço" populacional muitas vezes não é positivo, porque a demanda por serviços básicos de saúde, saneamento básico, educação, lazer, etc, nem sempre é acompanhada pela execução de obras pela prefeitura, contribuindo para o aumento do desemprego, da violência urbana, da desigualdade socioespacial, na precariedade das moradias e na disseminação de doenças.









5. REFERÊNCIAS

PENTEADO, A. R. Belém do Pará: Estudo de Geografia Urbana. Vol. 1. Coleção Amazônica. Série José Veríssimo. Universidade Federal do Pará - UFPA. 1968.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010. IBGE. 


BELÉM. Anuário Estatístico de Belém. Prefeitura de Belém, 2010.