terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Brasil - Cartografia da População com o software Philcarto

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor-chefe e Proprietário do Blog Geografia e Cartografia Digital de Belém
* Bolsista Desenvolvimento Tecnológico Industrial (DTI) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Instrutor dos softwares de Cartografia: ArcGis, Qgis, Philcarto, Phildigit e Google Earth Pro.
* Contatos: henrique.ufpa@hotmail.com ou luizhenrique.ufpa@yahoo.com
Cursos, Mapas, Projetos, Cartogramas e Consultoria em Geotecnologias - (091) 98306-5306 (WhatsApp)


1. RESUMO

O objetivo dessa postagem é mostrar a potencialidade dos mapas temáticos elaborados no software Philcarto, assim como as possíveis análise espaciais que podem ser realizadas através da interpretação correta. Nessa postagem, escolhi algumas variáveis sobre a população brasileira, tais como: População total; População Urbana; População Rural; População Urbana x População Rural e Densidade Demográfica. Esta postagem fará uma breve análise da distribuição populacional no Brasil tomando como base os estados e as regiões.  


2. METODOLOGIA

Para elaboração dos mapas temáticos foi usado o software Philcarto, disponível em http://philcarto.free.fr/. Todos os dados são oriundos do IBGE - 2010 (Sistema de Recuperação Automática IBGE), disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/. As bases cartográficas em formato (Ai.) foram cruzadas com planilhas advindas do Excel em formato (texto separado por tabulações - txt) no Philcarto para os mapas poderem ser gerados. As imagens de satélites foram extraídas do Google Earth Pro, disponível em https://www.google.com.br/earth/download/gep/agree.html. As bases cartográficas foram extraídas do próprio site do Philcarto http://philcarto.free.fr/FondsDeCartes.html. No site, ainda há bases de distritos e regiões de vários países do mundo.


3. DESENVOLVIMENTO
3.1 CARTOGRAFANDO A POPULAÇÃO BRASILEIRA

Segundo o último censo em 2010, a população brasileira era de 195.200.000 habitantes, no qual a distribuição era e ainda continua sendo bastante desigual, com forte concentração populacional no litoral do país, especialmente na região Sudeste, Sul e Nordeste em contraposição a Região Norte e Centro-Oeste (Mapa 1), onde foi usado a técnica cartográfica símbolos proporcionais com o Philcarto para evidenciar a proporcionalidade da população dos estados brasileiros.


Mapa 1. Brasil - População absoluta dos estados em 2010

Conforme o mapa, o Estado de São Paulo continua sendo o mais populoso do Brasil com 41.262.199 habitantes, seguido por Minas Gerais (19.597.330 hab), Rio de Janeiro (15.989.000 hab), Bahia (14.016.906 hab) e Rio Grande do Sul (10.693.929). Os estados menos populosos estão sobretudo na Região Norte, destacando-se Roraima, Amapá, Acre e Rondônia, em razão da ocupação ter sido mais recente do que nos demais estados, além da forte presença de áreas de conservação e florestas em grande parte do seu território. A população brasileira concentra-se no litoral, principalmente nas regiões Sudeste, Sul e Nordeste em detrimento do menor adensamento na Região Norte e Centro-Oeste.

A maioria da população brasileira já vive em cidades (84,3%), sendo uma realidade em todos os estados. Para a representação do mesmo foi utilizado a técnica cartográfica de símbolos proporcionais opostos com o software Philcarto para destacar a proporcionalidade e o contraste de duas informações. O forte processo de urbanização que se verifica a partir da 2° Guerra Mundial está diretamente relacionado aos progressos sanitários e a melhoria dos padrões de vida que ocasionou aumento da natalidade e redução das taxas de mortalidade no país. 


A partir da década de 80, as taxas de natalidade e mortalidade começam a reduzir significativamente, o que repercute no baixo crescimento vegetativo ao longo dos anos, assim como o crescente êxodo rural. Esses acontecimentos favoreceram a preponderância da população urbana em todas as unidades da federação (Mapa 2), sendo mais evidente na Região Sul, Sudeste e Centro-Oeste, principalmente no estado do Rio de Janeiro, Goiás e no Distrito Federal.




Mapa 2. Brasil - População Urbana x População Rural em 2010


Conforme o mapa, entre os estados com a menor proporção de pessoas morando nas cidades, destaca-se o Maranhão, Piauí, Pará e Bahia. É evidente que a Região Norte e Nordeste ainda é representativo o número de pessoas vivendo no campo e de atividades primárias, como agricultura, extrativismo e pecuária. Porém, essas regiões possuem grandes e médios centros urbanos e um sistema viário relativamente integrado com o restante do país, principalmente a Região Nordeste.

A urbanização brasileira foi bastante acelerada no período da década de 60-90, onde milhões de pessoas se dirigiram para as grandes e médias cidades, em um fenômeno conhecido como êxodo rural, motivada principalmente pela concentração de terras por grandes fazendeiros no interior do país que dificultou o acesso a terra. A mecanização agrícola vem contribuído para a substituição da mão-de-obra não-qualificada no campo em decorrência da substancial melhoria da produtividade por causa das máquinas e como forma e evitar problemas trabalhistas. Muitas famílias buscam melhorar a qualidade de vida, migrando para os centros urbanos com o intuito de fugir da fome, miséria e buscar melhores oportunidades de trabalho, porém nem sempre conseguem, pois a qualificação exigida nas cidades é mais elevada, o que contribui para que os migrantes busquem formas de se adaptar no mercado ou trabalharem informalmente.

No Brasil, esses fatores contribuíram para que o Estado de São Paulo e Rio de Janeiro alcançassem as maiores taxas de urbanização do país, acima de 96%, enquanto o DF, em razão da centralidade política, forte migração para a construção e fixação em Brasília. No geral, uma parcela significativa da população das regiões: Sul, Sudeste e Centro-Oeste vive nos centros urbanos, em contraste com taxas mais discretas no restante do país (exceção do Amapá), porém predominantemente urbana, acima de 64% (Mapa 3). 

Mapa 3. Brasil - Urbanização em 2010

No Brasil, os estados que possuem os maiores índices de sua população morando nas zonas rurais são: Pará, Maranhão e Piauí, entre 31% a 36%, seguido por outros estados da Região Nordeste e Norte do país (Mapa 4), contrastando com índices menores dos estados da Região Sul, Sudeste e Centro-Oeste.


Mapa 4. Brasil - População Rural em 2010

A distribuição espacial da população brasileira é bastante desigual (Mapa 5), resultado do início do povoamento no litoral do país e a ascensão dos primeiros centros urbanos próximo ao oceano atlântico, em que é evidente as altas densidades demográficas no litoral nordestino, principalmente do Ceará em direção a Bahia, onde estão localizadas as maiores cidades e suas respectivas regiões metropolitanas como a de Fortaleza, Recife e Salvador. 

É perceptível no mapa que a alta concentração de pessoas por Km² se estende por grande parte do Sudeste do Brasil, essencialmente no estado de São Paulo, Rio de Janeiro, Centro-Sul de Minas Gerais e Espírito Santo, onde estão grandes e médias cidades. Essa área também concentra grande parte do PIB brasileiro e é muito industrializada.


Mapa 5. Densidade Demográfica no Brasil em 2010
Fonte: Adaptado de HERVE THERY
Revista Confins


Ainda conforme o mapa, no sul do país, o número de pessoas por quilômetro quadrado é elevado, principalmente na porção leste do estado de Santa Catarina, no centro-sul do Rio Grande do Sul, no leste e norte do Paraná, enquanto na Região Norte e Centro-Oeste, a densidade é predominantemente muito baixa, variando entre 0,1 a 15 hab/km², em consequência da presença da floresta amazônica no Norte; pelo Pantanal e Cerrado no Centro-Oeste, com exceção dos arredores da cidade de Belém/PA (Norte) e Goiânia/GO (Centro-Oeste) que possuem regiões metropolitanas consolidadas, assim como algumas áreas como a RIDE de Brasília, a cidade de Manaus/AM (Norte), Cuiabá/MT e o Sul de Goiás.



4. CONCLUSÕES

O Philcarto mostrou ser um excelente recurso na elaboração de mapas temáticos a partir de dados estatísticos, onde é evidente a sua potencialidade para confeccionar produtos similares. Os mapas mostraram a desigual distribuição da população brasileira, onde a Região Sul e Sudeste possuem as mais altas taxas de urbanização, concentram os estados mais populosos e possuem as maiores densidades populacionais do país, principalmente no litoral, em contraposição a Região Norte e Nordeste, que possuem taxas mais discretas de urbanização e ocupação demográfica mais rarefeita. O software usado para elaborar os mapas é livre, gratuito e pode ser encontrado facilmente em http://philcarto.free.fr/



5. REFERÊNCIAS

IBGE, 2010. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/. Acesso em 27/12/2015

THERY, H. A população do Brasil em 2010. Revista Confins. Disponível em  https://confins.revues.org/7215?lang=pt. Acesso em 06/01/2016









terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Belém, 400 anos de conquistas e de muitas lutas!

Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor-chefe e Proprietário do Blog Geografia e Cartografia Digital de Belém
* Bolsista Desenvolvimento Tecnológico Industrial (DTI) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL)
* Instrutor dos softwares de Cartografia: ArcGis, Qgis, Philcarto, Phildigit e Google Earth Pro.
* Contatos: henrique.ufpa@hotmail.com ou luizhenrique.ufpa@yahoo.com
Cursos, Mapas, Projetos, Cartogramas e Consultoria em Geotecnologias - (091) 98306-5306 (WhatsApp)


A cidade de Belém é a capital do Pará e o principal portão da Amazônia Brasileira que no dia 12/01/2016 completou 400 anos de fundação. Desde a construção do Forte do Castelo em 1616 nas margens da Baía de Guajará, a cidade cresce vertiginosamente, principalmente durante o período áureo da comercialização da borracha para os principais centros europeus, o que contribuiu para diversas construções imponentes como: Casarões, Mercados, Lojas no estilo europeu, grandes e arborizadas avenidas, entre outros. 

Hoje, com 1.439.000 habitantes, a cidade celebra seus 400 anos, apesar de grandes dificuldades na área do saneamento básico, da saúde, da mobilidade urbana, entre outros, o que causa extrema aflição daqueles que vivem e esperam morar em uma cidade mais segura, menos corrupta, mais arborizada, com um trânsito menos caótico, menor desigualdade social, entre outros.  

A cidade carinhosamente chamada de "Cidade das Mangueiras", "Cidade Morena" e "Metrópole da Amazônia" busca dias melhores para que a sua população possa usufruir de todas as suas belezas naturais, sem grandes degradações ambientais. O anseio dessa população é viver em uma cidade mais digna!

Figura 1. Parte central de Belém
Fonte: skyscrapercity (Eloi Raiol)



Figura 2. Mercado do Ver-o-peso
Fonte: blog do Gerson Nogueira


Figura 3. Frutas amazônicas no Ver-o-peso (Belém dos sabores)

Figura 4. Vista da Praça da República no centro de Belém


Figura 5. Milhões de pessoas no Círio de Nazaré em Belém (Maior procissão religiosa católica do Brasil)


Figura 6. Vista do Teatro da Paz em Belém


Figura 7. Estação das Docas em Belém


Figura 8. Mangal das Garças em Belém


Figura 9. Comidas típicas do Pará (Tacacá, Maniçoba, Vatapá e Pato no tucupi)