quinta-feira, 11 de maio de 2017

Distribuição espacial dos brancos no Brasil por Anamorfoses



Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, Proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital de Belém
* Foi Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Projetos de Geoprocessamento, Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp



1. Anamorfose, o que é?

Anamorfose vem do grego anamórphosis – transformação – imagem disforme. Em francês, “anamorphose” [anamorfose]; em inglês: Cartogram [cartograma], ”variable scale maps” [mapas com escala varáveis] ou “value-by-area” cartograms [cartogramas de valores de áreas] e em alemão: “verzerrte Karte” [carta distorcida, disforme] (Tobler, 2004:59-60 apud DUTENKEFER, E). Na Cartografia, o termo Anamorfose refere-se a documentos que representam uma base com viés geográfico (continentes, países, estados, municípios, etc) de maneira distorcida, de forma a realçar um tema específico. O objetivo principal dessas representações cartográficas é destacar da forma mais direta possível a extensão de um fenômeno que ocorre no espaço geográfico. 

As anamorfoses são formas de representação cartográficas peculiares, pois o processo de elaboração requer bastante técnica, dados confiáveis, base cartográfica oficial, tratamento cartográfico adequado, legenda compatível com a proporcionalidade da base e um layout exíminio, com o intuito de facilitar a compreensão dos "leitores" e "expectadores" das figuras.

Na verdade, as anamorfoses não são mapas propriamente ditos, pois carecem de informações importantes para a compreensão real da superfície terretre. Por outro lado, o uso desses recursos são de extrema importância, principalmente em apresentações acadêmicas, palestras de modo geral e até em textos jornalísticos, pois facilitam a comunicação geográfica. O uso desses recursos deve ser utilizado excluvisamente com dados quantitativos (Figura 1), sejam estes brutos ou relativos, já que o intuito principal é expressar a noção de proporcionalidade.


Figura 1. PIB das microrregiões do Brasil em 2002 por anamorfose
Fonte: Adaptado de THERY, H (2006)
Fonte dos dados: IBGE (2002)


2. A distribuição dos brancos por anamorfose

O Brasil é um país sul-americano diverso com 207.437.503 habitantes (IBGE, 2017), dividindo-se em 27 unidades que constituem a federação. Conforme o IBGE (2010), 47,67% da população se autoclararam como brancos; 42,98% como pardos, 7,83% como negros; 1,11% como amarelos e 0,41% como indígenas.

De posse dos dados do IBGE de 2010, foram elaborados anamorfoses para expressar a distribuição dos brancos por região e estado. Os dados correspondem aqueles que se autodeclararam brancos nas pesquisas.

Na avaliação das regiões brasileiras, a região "mais branca" do Brasil é a Sul com 78,4% (Figura 2), seguido pelo Sudeste com 55,16% e Centro-Oeste com 41,8%. Entre as "menos branca", destacam-se Nordeste (29,4%) e Norte (23,4%). 


Figura 2. Percentual da população branca nas regiões brasileiras em 2010 por anamorfose
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
Fonte dos dados: IBGE (2010)
*A anamorfose é uma amostra de trabalho. O seu uso se dá mediante pagamento para retirada da marca d' água.


Conforme a anamorfose acima, apesar da Região Sudeste ter o maior número de pessoas autodeclaradas brancas, a região Sul tem a maior proporção de pessoas brancas na população. Uma das explicações que justicam tal índice é a forte migração preferencial de europeus para a região mais meridional do Brasil no século XX, principalmente alemães, poloneses, italianos, entre outros, o que contribuiu para aumentar gradativamente a população com cor de pele predominante branca. Tal migração também ocorreu no Sudeste, mas com menor intensidade.


No Brasil, cerca de 91 milhões de brasileiros se autodeclarou como branco. A maior quantidade absoluta de brancos está no Estado de São Paulo (26,3 milhões), seguido pelo Rio Grande do Sul (8,9 milhões), Minas Gerais (8,8 milhões), Rio de Janeiro (7,5 milhões), Paraná (7,3 milhões) e Santa Catarina (5,2 milhões). Em relação a população relativa em cada unidade da federação, os brancos são predominantes nos estados do Sul e Sudeste do país (Figura 3). O Estado de Santa Catarina é o "mais branco" de todos com índice igual a 83,9%, seguido pelo Rio Grande do Sul (83,2%), Paraná (70%), São Paulo (63,7%) e Rio de Janeiro (47,3%).



Figura 3. Percentual da população branca nos estados brasileiros em 2010 por anamorfose
Fonte: Luiz Henrique Almeida Gusmão (2017)
Fonte dos dados: IBGE (2010)
*A anamorfose é uma amostra de trabalho. O seu uso se dá mediante pagamento para retirada da marca d' água.

A anamorfose acima expressa um forte contraste da população branca nos estados brasileiros, sendo a composição mais baixa na região Norte e no Estado da Bahia, seguido por demais estados da região Nordeste. Entre os estados "menos branco", Roraima possui o menor índice do país com 20,9%, seguido do Amazonas (21%), Pará (21,5%), Bahia (21,9%) e Maranhão (21,9%), onde prevalece uma população que se autodeclarou parda ou negra.



3. CONCLUSÕES

As anamorfoses são excelentes recursos cartográficos para expressar a proporcionalidade de determinado tema, que nesse caso evidenciou a distribuição espacial da população que se declarou como branca por estado e região. As figuras cartográficas destacaram a forte composição étnica branca nos estados das regiões Sul e Sudeste em contraposição aos estados das regiões Norte e Nordeste, onde a população é predominantemente parda e negra.


4. REFERÊNCIAS


DUTENKEFER, E. Anamorfose como mapa: história, aplicativos e aplicações. 2010. Disponível em https://3siahc.files.wordpress.com/2010/04/eduardodutenkeferartigosimposio.pdf. Acesso em 06/05/2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em http://www2.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=cd&o=6&i=P&c=3145, 2010.

THERY, H. Orientação metodológica para construção e leitura de mapas temáticos. Revista Confins. Disponível https://confins.revues.org/3483. Acesso em 08/05/2017.