quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Softwares Livres de Geoprocessamento - Downloads

Softwares Livres de Geoprocessamento - Downloads


Luiz Henrique Almeida Gusmão
* Geógrafo e Licenciado pela Universidade Federal do Pará (UFPA)
* Editor chefe, proprietário e Cartógrafo - Blog Geografia e Cartografia Digital de Belém
* Bolsista CNPq - DTI (Desenvolvimento Tecnológico Industrial) no Laboratório de Sensoriamento Remoto na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Amazônia Oriental)
* Instrutor dos softwares de Cartografia e Geoprocessamento: ArcGis, Philcarto, Phildigit, Google Earth, QGIS e Adobe Illustrator aplicado a Cartografia Temática
* Contato: henrique.ufpa@hotmail.com
*Mapas em Geral, Cartogramas, Cursos, Palestras e Consultoria em Geotecnologia:  091 (98306-5306) - WhatsApp


1. O uso de softwares livres em Geoprocessamento


Os softwares livres de Geoprocessamento são sistemas que nos permite obter, processar, cruzar e analisar informações geográficas através de dados vetoriais ou matriciais, em que o resultado é expresso principalmente através de mapas temáticos que podem abranger continentes, países, regiões, estados, municípios, bairros ou até mesmo quarteirões, dependendo dos objetivos que o usuário pretender alcançar. Dentre os softwares disponíveis no mercado, listo alguns dos mais usados no mundo por profissionais que trabalham com GIS (Geographic Information System). Porém, é importante ressaltar que os programas não conseguem trazer a solução de um problema ou analisar automaticamente questões complexas sem profissionais qualificados com excelente banco de dados e metodologias adequadas para cada projeto. Nesse caso, o profissional que trabalha com SIG é tão importante quanto os softwares e os dados, pois esse será o responsável pelo armazenamento, processamento e análise dos dados, sem o qual nada pode ser feito.


Figura 1. The Structure of GIS (A Estrutura do SIG)
Fonte: www.ig.com

Figura 2. O uso e a importância do Gis nos municípios

Fonte: mundogeo.com


2. OS SOFTWARES LIVRES
2.1 GOOGLE EARTH PRO



Um dos softwares mais famosos do mundo que possui ampla capacidade de armazenamento, compartilhamento e elaboração de dados geográficos, assim como a espacialização de mapas temáticos, porém sem georreferenciamento. O software é gratuito e as imagens de satélite contidas nele sempre estão atualizando. Tem infinitas aplicabilidades, do ensino a pesquisa. Ele pode ser usado para temas como Geomarketing, Meio ambiente, Saúde Pública, Segurança Pública, Educação, entre outros, disponível em: Google Earth Pro - https://www.google.com.br/earth/download/gep/agree.htmlÓtimos manuais que você pode usar para aprender é o do próprio Google, disponível em https://support.google.com/earth/answer/176576?hl=pt-BR.

Figura 3. O software Google Earth Pro
Fonte: Autoria própria no Google Earth Pro

Figura 4. Mar Adriático na Europa em destaque
Fonte: Autoria própria no Google Earth Pro


Figura 5. Mapa da Região Norte do Brasil
Fonte: Autoria própria no Google Earth Pro

Figura 6. Principais Praias da Ilha de Cotijuba - Belém/PA
Fonte: Autoria própria (2014)


Figura 7. PIB dos municípios da microrregião de Belém - Belém/PA
Fonte: Autoria própria (2015)


2.2 SPRING



O SPRING é um SIG com funções de processamento de imagens, análise espacial, modelagem numérica de terreno e consulta a banco de dados espaciais (INPE, 2015). O software, disponível em http://www.dpi.inpe.br/spring/portugues/download.php, tem vários manuais para aprimorar o seu conhecimento no software http://www.dpi.inpe.br/spring/portugues/manuais.html. Conforme o (INPE, 2015) os principais objetivos do SPRING:

1. Construir um sistema de informações geográficas para aplicações em Agricultura, Floresta, Gestão Ambiental, Geografia, Geologia, Planejamento Urbano e Regional.
2. Tornar amplamente acessível para a comunidade brasileira um SIG de rápido aprendizado.
3. Fornecer um mecanismo unificado de Geoprocessamento e Sensoriamento para aplicações urbanas e ambientais
4. Ser um mecanismo de difusão do conhecimento desenvolvido pelo INPE e seus parceiros, sob forma de novos algoritmos e metodologias.


Figura 8. Interface do software Spring
Fonte: INPE

Figura 9. Análise no software Spring
Fonte: INPE

2.3 Philcarto


O Philcarto é um software francês de Cartomática e Cartografia Temática de autoria do Geógrafo Philippe Waniez disponível em http://philcarto.free.fr/. Está em mais de 6 idiomas, como português, inglês, francês, espanhol, romeno, vietnamita e outros. Este não é um SIG como os demais, porém esse tem ampla capacidade de armazenamento e cruzamento de dados estatísticos, e consequente elaboração de diferentes mapas temáticos, tais como: corocromático, coroplético, isoplético, círculos proporcionais, círculos propocionais coloridos, círculos proporcionais corocromáticos, pontos unicolores, pontos coloridos, coroplético e círculos proporcionais, entre outros. Saiba mais em: http://geocartografiadigital.blogspot.com.br/2013/05/conhecendo-o-software-philcarto.html.

Os mapas feitos no software podem contemplar assuntos como: Demografia, Economia, Meio Ambiente, Saneamento Básico, Saúde, Segurança Pública, etc. É necessário que os dados sejam confiáveis e estatísticos, em que no Brasil, a principal fonte de dados é o IBGE, disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/. O manual do software está disponível ao lado http://www2.fct.unesp.br/docentes/geo/girardi/Cartografia%20PPGG%202015/MANUAL%20ANTIGO%20PHILCARTO.pdf. O software surpreende com variadas possibilidades de mapeamento de pontos, linhas e polígonos. É ideal que você crie suas bases cartográficas em um SIG e converta para o tipo (.Ai) no Phildigit (Software complementar ao Philcarto) ou baixe as bases disponíveis no próprio site do software. 

Você pode acelerar seu conhecimento lendo esse excepcional artigo do Dr. Herve Thery e da Dra. Rosely Sampaio Archela ao lado https://confins.revues.org/3483?lang=pt. Lembre-se que é necessário ter o Excel ou o LibreOffice para poder gerar a base estatística em ".txt" (Texto separado por tabulações) e inserir os dados no Philcarto para em seguida ser cruzado com a base cartográfica no software.

Figura 10. Mapa dos Homicídios em Belém - 2009 feito no Philcarto

Fonte: Autoria própria no Philcarto

Figura 11. Mapa da densidade demográfico no Pará feito no Philcarto
Fonte: Autoria própria no Philcarto


Figura 12. Mapa da População Urbana x População Rural do Brasil

Fonte: Autoria própria no Philcarto (2015)


2.4 QuantumGis (Qgis)



É o software livre de SIG mais difundido, usado e com mais tutoriais sobre as funcionalidades disponíveis na internet, disponível em http://www.qgis.org/en/site/. Há uma tendência de cada vez mais os usuários de SIG migrarem para o QGIS ou de utilizarem esse software como o principal instrumento de trabalho em detrimento de outros programas. Está disponível em vários idiomas: português, espanhol e inglês, tendo uma variedade de tutoriais no Youtube, Facebook, Blogs e outras redes sociais. Basta pesquisar: "QGIS Tutoriais" em qualquer uma dessas redes que vai aparecer vários recursos. Tutorial em inglês http://www.qgistutorials.com/en/ e em português no Site do Anderson Medeiros http://andersonmedeiros.com/elaboracao-de-mapas-tematicos-quantum-gis/.

O uso desse software se destina a diferentes aplicabilidades, desde mapas de Uso e Cobertura da Terra até Geologia, Saúde Pública, Meio Ambiente e outros, o que vai depender dos dados e das análises espaciais que serão realizadas.



Figura 13. Concentração de bares e restaurante com análise de Kernel em Olinda/PE
Fonte: testesaude.shervidores04.com.br


Figura 14. Delimitação de Bacia Hidrográfica em Rio Branco/AC
Fonte: qgisbrasil.org



3. CONCLUSÕES

Hoje eu apresentei 4 excelentes softwares livres de Geoprocessamento, assim como links de manuais em blogs, artigos e vídeos. Para quem tem interesse na área de Geoprocessamento, esses programas podem servir para a elaboração e análise de mapas temáticos, assim como auxiliar significativamente o planejamento urbano. Caso, você queira um curso ou aulas particulares de algum software (Exceção Spring), entre em contato no 91 98306-5306.